segunda-feira, 9 de outubro de 2017

vindimas 2017








a nossa 12ª vindima acabou assim.
começou mais cedo, ainda agosto ia a meio e parece que passou a correr.
este ano foi fácil, se é que se pode dizer isso. estar a trabalhar ao lado de casa, muito mais calma e em paz, fez toda a diferença. tive cabeça e pachorra para cozinhar, limpar, mimar. dançar e cantar, ir ao parque fazer piqueniques de improviso, brincar com os primos, preparar lancheiras personalizadas.

eles crescem e também facilitam o processo. entretêm-se mais sozinhos, comem sozinhos, tomam banho e ficam a brincar para eu fazer tudo o resto, ajudam dentro do possível. 

a dinâmica está bem organizada e rotinada, gosto disso.
e gosto destes três. muito. 



'tá fêto







comecei a apontar os resultados do desfralde do mais pequeno algures e agora não me lembro onde, se foi num papel, no telemóvel (já vi que não está), num caderno. adiante. a conclusão é sempre a mesma: está feito!
não foi com o grau de excelência do primeiro, que ao final de um dia tinha arrumado o assunto, mas ao final de um mês pudemos dizer com 98% de certeza que o desfralde estava feito. de dia, senhores, não se apressem.

tudo começou depois das férias, 15 dias de rambóia e assim que regressou à escola, nos inícios de agosto e com uma escola quase fantasma, elas muito entusiasmadas e eu nem por isso. assim, resumindo, houve pelo menos duas cuecas que foram directamente para o lixo, porque sua excelência preferiu continuar a brincar sentada mesmo depois de ter feito cocó; várias cuecas por dia foram para lavar, assim numa média 3 a 4; não ia o mesmo número de calções porque estava calor e elas, e muito bem, optaram por deixá-lo andar só de cuecas. e t-shirt, claro. crocs, claro, que melhor que estes sapatos de borracha só mesmo andar descalço nestas ocasiões. 

e pronto, andámos ali duas ou três (ou foram quatro) semanas mais atentos e preocupados e ao final de um mês, vá, menos de um mês, a coisa estava encarrilada.

sim, há descuidos, a maior parte das vezes nossos que andamos nas nossas vidas e nos esquecemos que o puto quer ir fazer xixi. mas muitas vezes ele próprio se distrai e faz xixi em cima dos brinquedos. o que faz o irmão passar-se por ver o carro da polícia dentro do bidé a secar. 

ontem, por exemplo, houve um cocó nas cuecas. andava a brincar e estranhamente não nos avisou, já estávamos nesse nível seguinte de alertas. nós também estávamos entre fazer o jantar, estender um pouco as pernas e respirar que era domingo-quase-de-noite e olha, directo para a banheira e adianta-se o banho. 

demorou muito mais tempo que o primeiro, sim. este é mais tramado, sim, mas está feito e agora só falta a chucha para eu me sentir completamente orfã dos meus bebés. 

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

27 de setembro de 2017

morre um sogro.
nasce um sobrinho.

o ciclo da vida no seu fatal esplendor.

domingos, nestas tuas primeiras horas de vida estivemos a lidar com o final de uma outra vida. nos teus primeiros dias, andámos a gerir o choro, a dor e a surpresa, mas tu estiveste sempre nas nossas lembranças e deste-nos luz. sê bem vindo pequenino, a esta família maluca mas tão boa.

domingo, 3 de setembro de 2017

voltar onde se tem medo









quando voltas a um sítio onde tinhas medo de voltar por causa das memórias, mas o que recebes é tão maior.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

a ganhar competências ao nível da ginástica







com os dias longos e quentes tenho tentado estar com eles na rua o mais possível, a (re)descobrir parques infantis em lisboa.
neste dia, ensinei-lhe a dar cambalhotas nestes espaldares (nem sei se é assim que se chama a isto) e num segundo ele aprendeu. primeiro com a minha mão a apoiar e depois sozinho, a medo e depois cheio de balanço.

entretanto aparece uma miúda, um pouco maior e mais velha, super dada a estas acrobacias, sem mãos, rodas aceleradas, conversas pelo meio, e ele a olhar, embasbacado. disse-lhe que se quisesse aprender a fazer aquilo podia pedir à miúda (à menina) para lhe ensinar. desceu uma camada de vergonha e o rapaz permaneceu mudo. ela, espevitada, ouviu e toca de dar lições de ginástica, com palestras detalhadas, opiniões e demonstrações. 

e às tantas dou pelo joão, de cabeça no chão, em género meditação-de-última-hora. 
certo é que foi para casa feliz, orgulhoso e com a cabeça cheia de areia.

tirada #23

2ª feira, a caminho da escola, enquanto discutíamos sobre não querer ir à escola:

- mas eu não quero ir brincar!
- não queres ir brincar? então queres fazer o quê?
- quero beber cerveja.


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

gru 3



gru 3 ou a primeira ida do francisco ao cinema ou uma fotografia péssima com o telemóvel.
(pedi-lhes para fazerem cara de mínimo mau/zangado).