quarta-feira, 27 de novembro de 2013

[o melhor do meu dia]

o pai levantar-se às 3h30 para lhe ir dar a chucha * + eu começar a cantar no carro e o meu filho rabujas-do-final-do-dia virar-se de lado para mim, com toda a atenção do mundo e com um ar intrigado. 
é isto e- não me canso se repetir- acordar a rir, com um ar feliz. sim, 11 horas de sono têm esse efeito, confirma-se.

* vai o pai porque, quando volta para a cama, consegue adormecer em 5 segundos e eu demoro uma eternidade. além disso, agora no inverno, ele é uma botija de água quente ambulante e eu tenho frio até mais não. já disse que gosto é do verão?!? e claro, do marido, muito, muito! 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

balanço #1

sem querer entrar em lamechices óbvias e próprias da data, quero dar-me os parabéns!
nem vou dizer que sobrevivi e tal, porque tinha a certeza que o ia fazer. também não vou dizer que foi difícil, que foi chato ou que foi um mar de rosas.
 
foi, sem dúvida, mais fácil do que esperava, preparei-me para bem pior. mentalizei-me que ia ter noites mal dormidas, que ia andar com olheiras até ao queixo, que ia estar sempre de mau humor, até imaginei as nódoas na roupa, e estas foram as únicas que apareceram. em 365 noites deve ter havido umas 5 que correram menos bem, em que ele acordou uma ou duas vezes.
a pior foi na véspera de embarcarmos para amesterdão, em junho. acho que ele sentiu que andava alguma tensão no ar e resolveu dar sinal disso, acordou umas horas antes, plena madrugada e só adormeceu no avião. depois dessa, quando esteve doente ou quando regressámos de londres, acordou por ter perdido a chucha ou por tosse ou simplesmente para ver que estávamos aqui.
não sei se é por (quase) todas as noites me mentalizar que ele pode acordar e por me precaver e ir dormir assim que posso - o que tem sido em média antes das 23h, a verdade é que não me sinto cansada, nunca me senti esgotada, desanimada, queixosa e despenteada.
continuarei a agradecer eternamente esta benção.
 
além das noites bem dormidas, tenho um bebé que sempre mamou bem e que, agora nos sólidos, continua a comer bem. aliás, comenta-se que é incrível a boa boca deste meu rapaz. runs in the family, i guess! eu como de tudo, o pai também, não somos nada esquisitos com comida, tanto marcha uma feijoada de javali, como uma massada de peixe, como um simples prato de sopa ou uns ovos mexidos. a diversidade faz parte, até na mesa. não é à toa que nesta altura el já tenha provado uma variedade enorme de coisas, sem torcer o nariz, desde frutas, legumes a carnes e peixes. é um descanso saber que posso desenrascar qualquer coisa que, por ele, come-se sempre.
mais uma coisa que tenho que agradecer eternamente.
 
ouvia e continuo ainda a ouvir dizer que bebé bolsado é bebé criado. o joão bolsava sempre que comia. muda roupa, muda babete, muda fralda de pano. um cheiro constante a azedo e a certeza que ia passar com a idade. terá sido a coisinha mais chata deste ano. mas passou. já lá vai. e hoje não me lembro do cheiro, mas lembro-me da chatice de mudar babetes e roupa. mas já passou. e ele cresceu bem criado, é verdade.
 
o pai diz que está é a fase mais gira, porque ele interage connosco, participa e faz-se ouvir. faz as suas graças e é feliz. sim, esta fase é muito gira. mas eu tenho tantas, mas tantas saudades de um bebé mini, de uma pessoa pequena pequenina que me caiba à medida nos braços. tenho tantas saudades dos sons de um recém-nascido, do peso e do cheiro. acho que, no fundo, queria é guardá-lo, desse tamanho, para sempre e só para mim. vê-lo crescer e tomar conta do mundo é uma alegria imensa mas faz o meu coração encolher.
 
se gostava de estar mais tempo com ele? claro que sim! mas também quero trabalhar, sem dúvida. se pudesse escolher, optava por trabalhar em part-time, de manhã. tinha tempo para viver a minha vida e a nossa vida. sem correrias, sem deixar coisas para trás, sem ter que fazer tantas opções. não me vou queixar porque estou com ele algumas horas ao final dia, mais uma benção. mas se pudesse escolher, multiplicava estas horas.
 
em relação às rotinas diárias, o que mais me chateia é a quantidade de tarecos de loiça que se suja para preparar a comida dele. pratos e pratinho, facas e garfos, colheres e tijelas. quando o jantar acaba tenho as duas cubas do lava-loiças cheias. viva a máquina de lavar que tem muito mais uso desde que ele nasceu!
a roupa não me chateia muito, gosto de escolher o que ele vai vestir e continuo a gostar de estender roupa e a não gostar de passar a ferro. ainda bem que tenho um rapaz, para não desgraçar o orçamento com tanta oferta que há. continuo a não perceber porque é que, de tantas marcas que surgiram nos últimos tempos, ninguém se agarra aos rapazes. já começam a existir coisas em cinzento e castanhos, lãs e malhas, vá lá, já não se aguentava tanta azul bebé. mas porquê tanta flor e tanto folho e tanto rosa? que exagero! sim, continuo a dizer que gostava de ter só rapazes.
 
por falar em roupa, descobri que tenho um fraco por roupa de bebé, tapa-fraldas em malha e fofos. eles ficam adoráveis. quando o joão começou a crescer, ali depois do verão, comecei a ter dúvidas do que lhe vestir. por um lado ainda era bebé, mas por outro, já tinha ar de rapaz e os fofos já pareciam desadequados. ainda não queria assumir o crescimento e andei ali uns meses em indecisões, numa mistela de estilos, entre o bebé e o rapazola. agora pende mais para o segundo, mas já cresceu mais e está quase a andar, as roupas práticas impõem-se. mas mesmo assim... humf, suspiro por roupa de bebé. mas continua-se a aproveitar e agradecer todos os empréstimos inestimáveis. permitem-me lavar apenas uma máquina de roupa por semana, tal é a gentileza dos primos e amigos.
 
indo até mim. sinto-me feliz, muito feliz, tudo no seu lugar. só falta mesmo uma casa melhor e maior. de resto, não mudo nada. este ano fez-me mudar de perspectivas e de objectivos, aliás, fez-me pôr os objectivos em perspectiva. há outros meios de alcançar a felicidade, e aqui entro na parte lamechas que reneguei no início, como por exemplo nas coisas pequenas do dia-a-dia. tenho absorvido cada dia e todos os dias, todos os pormenores, tudo o que vejo, sinto e faço. sinto-me a crescer e a melhorar. e é isso que quero.
 
houve alturas díficeis na vida a dois, um bebé é um teste do caraças, uma prova tramada de amor e paciência. mas com calma e muita conversa e partilha, sem cábulas ou copianços, acreditando sempre no amor, passámos ao próximo nível. e eu penso que passámos com distinção.
 
este ano foi intenso em descobertas pessoais e familiares. estou muito orgulhosa da minha+nossa prestação como mãe+pais, da nossa dinâmica, da nossa capacidade de adaptação. foi isto tudo que nos permitiu chegar aqui, viver as nossas vidas e fazer acontecer uma vida nova.
 
joão, adoro-te com todas as letras e vou dar o melhor de mim para que sejas feliz. 
diogo, amo-te com todas as letras e quero estar ao teu lado todos os dias.
 
 

sábado, 23 de novembro de 2013

felicidário #11

12M





+ pesa 9,650kg, mede 77cm, tem 8 dentes, usa fralda tamanho 4, calça 19 e veste 12-18m (porque é comprido, o tamanho abaixo fica curto e as calças têm que ser apertadas na cintura);
+ diz mamã, papá, olá e dá quando lhe apetece, é preciso frisar; papá disse pela primeira vez no dia que fez um ano e olá e dá diz com mais frequência, palra muito;
+ bate palmas, diz adeus e esconde-se atrás das próprias mãos;
+ come muito bem, de tudo, mas tem um fraquinho por pão e bróculos;
+ dorme a noite toda, cerca de 11-12h;
+ quer estar sempre a andar, agarrado às nossas mãos, mas já se aguenta, de vez em quando, de pé sozinho;
+ quando lhe damos uma escova, penteia-se, quando lhe damos um telefone, põe ao ouvido;
+ adora tomar banho e quer-se pôr de pé e mandar tudo para dentro da banheira;
+ não gosta de mãos frias a vesti-lo;
+ não tem muito cabelo;
+ já consegue encaixar coisas umas nas outras;
+ gosta de música e de instrumentos musicais (xilofone, pandeireta);
+ joga às escondidas;
+ gosta de desarrumar prateleiras;
+ tem uma tara pelo comando da televisão;
+ fica 10-15 min a ver televisão e às vezes conversa com ela;
+ gosta de livros com janelas e texturas;
+ aninha-se no colo quando tem sono;
+ e É.O.MELHOR.FILHO.DO.MUNDO!

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

à volta de uma mesa cheia de sons







 fotografias tiradas dia 31 de outubro
+ gosto tanto de o ver com esta roupa
+ agora já não usa o colar de âmbar
+ e a franja está mais curta

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

[o melhor do meu dia] ver estes dois e saber que são meus


virose parva

não é que o puto começou a recusar comida no domingo, sólidos principalmente, esta trituradora, e de repente tinha diarreia a escorrer pelas pernas abaixo (e a sujar as minhas pernas, entenda-se), tinha o corpo com mini pintas vermelhas e estava a ir ao pediatra um mês antes do tempo?
valha-me que continua bem disposto, sempre a rir! é uma alegria e um descanso. grateful on that!
 
hoje ficou em casa com o avô e a dieta - nada de lactose. e isso implica novo leite (al110) e papa para fazer com leite (este leite), para anular todos e quaisquer vestígios da dita que parece que é o que acentua a diarreia. assim foi e hoje, menos de 24h depois da dieta, está bom. ainda bem. quer dizer, bom, bom, não está porque cuspiu uma espectacular e carinhosa açorda de peixe que eu fiz para o jantar. com coentros e tudo. ingrato... (brincadeirinha).
 
portanto, temos (tivémos) virose super-sónica, com diarreia dois dias, uma ameaça de febre ontem (37.8ºC) e vómitos violentos para mim na 2ªfeira. foi por uma fracção milimétrica que não inundei a casa de banho, minha gente. ainda sobraram umas gotas nas calças mas foi um dilúvio sanita abaixo. ok, pára, com isto!
 
portanto nº2, são estas horas, os rapazes dormem há muito tempo e eu aqui de volta dos props para a festa. tic tac tic tac... antes tenho que me lembrar de baixar as espectativas, sou mãe, não controlo o mundo e muito menos uma festa de aniversário, estou a fazer o meu melhor. note to self!
 
 + reparem na acrobacia deste senhor para tentar chegar ao que está em cima da mesa (está, excepcionalmente de calças de fato-de-treino porque estava em casa)

+ sim, é este bolo (quase sem açúcar porque não tinha mais em casa) que eu quero!
 

 + se o pai me vê a mexer nisto estou tramado... vou aproveitar que ele não está cá.


+ ah, espera, mas tenho aqui uns livros.
 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

a festa

aproxima-se a passos mais que largos a festa de primeiro aniversário do joão, aliás, o primeiro aniversário é que é! mas como calha a sábado faz-se logo a festarola.
já temos convites distribuídos, comida programada e estamos a tratar da decoração. hoje vou imprimir umas coisas giras. estou tão empolgada com isto. parece natal, mas um mês mais cedo eh eh

sabes que #7

sabes que influencias as crianças quando uma pequena de 5 anos e meio diz que não quer comer a sopa, tu provas e dás a provar e ela come duas colheres; depois diz que não quer mais e tu comes mais uma colher e repetes que gostas muito da sopa e se ela não quer mais, e ela vai e pede mais - 'está bem, pode ser, eu como mais uma'; e acaba por comer a sopa toda e espanta a própria mãe.
páras para pensar no 'poder' que tens, quando isto acontece. esta miúda mil vezes especial não é minha filha, mas eu tive a sabedoria e paciência de fazer as coisas assim e só peço que assim eu continue para todas as crianças a quem tiver que dar sopa.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

[o melhor do meu dia] acordar e estar de pé

apesar de ter acordado mais cedo foi a bater palmas e aos pulinhos na cama, com a habitual cara de chinês e a franja para a frente. 
e cada dia que passa aguenta-se mais tempo de pé sozinho. diria que está quase a largar asas e partir a descobrir o mundo. ou então, só está quase a andar. 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

[o melhor do meu dia]




já fazia isto mentalmente, (quase) todos os dias, na cama, antes de adormecer. Algumas vezes perguntei ao pai também. mas desde que ouvi o padre no casamento de uns amigos no açores a dizer que nunca nos devemos deitar zangados e que devemos dizer três coisas boas e três coisas más do nosso dia, e desde que frequentei o workshop de parentalidade positiva e assumi os seus ensinamentos e consequências, desde que comecei a mudar a minha postura neste mundo que faço este exercício.
pode não ser todos os dias, mas que penso nisto e agradeço muita coisa da minha vida, isso sim, faço-o.

agora registo aqui, também é bom para mais tarde recordar e sigo esta ideia

count my blessings

sábado à noite: crisma de uma grande amiga/irmã + jantar + noite de copos. erghhh... tu disseste noite de copos? yep! e cheia de vontade! 
apesar de termos jantado tardíssimo, o que levou a que 'alguém' adormecesse à mesa (não fui eu, não fui eu), ainda nós conseguimos arrastar (todos) até ao cais do sodré. seis pais e mães de crianças com menos de 6 anos, 'libérados'.
paramos no europa e acabámos na pensão amor, com muito boa música, alguns encontrões e apertões (ou eu é que não me lembrava que isto era assim!) mas foi bom. não durou muito mas foi bom - blessing #1.
o pinchavelho ficou com o tio paterno pela primeira vez e correu tudo bem - blessing #2.
quando cheguei a casa fui pedir ao meu filho para dormir até tarde e ele acordou às 7h30 com fome, comeu é dormir até às 11h. ah yeah! até às 11h!!! - (major) blessing #3.  

a banda sonora desta manhã foi 'count your blessings' do damien marley.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

e tinha saído um martim

há um ano atrás andava a dizer que se o meu filho nascesse neste dia, seria martim em vez de joão.
cá em casa gostamos muito de castanhas e o ditado 'no dia de são martinho, vai-se à adega e prova-se o vinho' tem tudo a ver connosco. seria um filho temático, portanto.
 
já estava de baixa à espera dele e os dias passavam devagar e mal eu sabia que ainda ia esperar quase duas semanas. tanta coisa, tanta coisa para querer (estupida e particularmente) que ele nascesse o mais longe possível do natal, que me punha com esta teorias de sabedoria popular.
 
 

domingo, 10 de novembro de 2013

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

olá

olá olá olá!
 
não há dúvidas, é a primeira palavra intencional e perceptível desta mini-pessoa. nada de papás e mamãs, repetidos algumas vezes no meio de tantos outros sons. este rapaz escolheu uma palavra simples, bonita e com tanto carisma. esperto o puto, porque assim agrada a muito mais gente e seduz uma plateia muito maior aos seus encantos. esperto.
é a fotografia possível esta semana.
a dormir no ovinho, na sala de espera do hospital de santa maria na 3ªfeira, dia de tirar as fotografias de natal na creche - daí os sapatos de carneira, que não se veêm e os calções de peitilho. estava fofo mas fofo, mas com uma tosse de cão sarnento.
apesar de ter falado com o pediatra que receitou atrovent (um broncoldilatador para fazer inalações por nebulização, vulgo fuminhos/vapores) e xyzal (anti-alérgico), eu precisava de um exame mais físico. consultas por telefone para primeiro filho às vezes não sossegam o coração de mãe, às vezes é o marido a sossegar e a dizer calmamente para confiar no pediatra. fomos antes de jantar para evitar maiores afluências, parece que depois das 20h é pior... vá-se entender...
correu bem, foi rápido, levou bomba para respirar (broncodilatador) porque quando entrou tinha a oximetria a 94%. perguntei à enfermeira e ela disse que abaixo dos 90% é que é preocupante, mas depois foi subindo até aos 93%... glup! venha de lá essa bomba, pá!
passados 20min estava fino, a 100%. é o que se quer.
 
mas dizia eu, esta foi a fotografia possível. desfocada e tudo.
 

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

nos últimos dias

assim de repente, diz adeus à papo-seco, já calçou sapatos de carneira -  o que reiterou a minha vontade de o vestir assim (quase) todos os dias, já foi visitar o santa maria novamente e já ficou em casa mais um dia com tosse (desta vez nos mimos com o pai), já come sopa de grão e espinafres e arroz de peixe e até já comeu dois gomos de tangerina. 

ontem repetiu vezes sem conta um olá, primeiro tímido e quase imperceptível mas depois, sem medos, um claro e sonoro olá. parecia um papagaio, adorável! e eu e o pai a derreter de orgulho e amor. acho que oficialmente está poderá ser a primeira palavra. swoon...

eu já ando a organizar a festa do primeiro aniversário (tenho tanta coisa para celebrar!), a ensinar-lhe os 'parabéns a você' e já sonho com o natal. tenho vontade de comprar roupa nova para mim, depois de dois anos a emagrecer o armário.

sábado, 2 de novembro de 2013

november be awesome!

 
 
 
há um ano trás andava com esta imagem no meu telemóvel. hoje volto a pô-la e entro em countdown para o bday mais importante deste ano...